GERAÇÃO PRÉ-ADÂMICA

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

EM 2015, LEIA MAIS A BÍBLIA!



O texto principal para expressar a grandiosidade da Bíblia se encontra na própria Bíblia, vamos ler este texto no livro de Provérbios 4:4-9 "então, ele me ensinava e me dizia: Retenha o teu coração as minhas palavras; guarda os meus mandamentos e vive; adquire a sabedoria, adquire o entendimento e não te esqueças das palavras da minha boca, nem delas te apartes. Não desampares a sabedoria, e ela te guardará; ama-a, e ela te protegerá. O princípio da sabedoria é: Adquire a sabedoria; sim, com tudo o que possuis, adquire o entendimento. Estima-a, e ela te exaltará; se a abraçares, ela te honrará; dará à tua cabeça um diadema de graça e uma coroa de glória te entregará.", como comprovação deste trecho, podemos observar alguns fatores da histórias, como:


Dentre os países mais desenvolvidos do mundo, a maioria deles foi culturalmente muito influenciado pela Bíblia, o maior exemplo são os EUA, onde a grande maioria da população é de cultura cristã, e os seus primeiros governantes eram cristãos que amavam a Bíblia e utilizavam da sabedoria nela contida para governarem os EUA. 
O povo Judeu, mesmo não crendo no Novo Testamento e em Jesus Cristo, é muito fiel a palavra de Deus do Velho Testamento, eles são um povo que hoje tem aproximadamente 25 milhões de pessoas, espalhadas pelo mundo, e mesmo sendo um povo discriminado, e sofrido, tem acumulado mais de 140 prêmios nobeis através da história, enquanto que nós aqui no Brasil somos mais de 150 milhões de pessoas, não temos nem sequer um prêmio nobel. 


Muitas das grandes personagens da história eram cristãs, e se não eram, de alguma forma foram grandemente influenciados pela Bíblia, em suas obras literárias ou mesmo em sua vida, devido ao fato de que os princípios espirituais nela contidos, são os mais elevados do que os de todas as outras obras existentes, dentre estas pessoas, selecionamos algumas frases notáveis, ditas por elas: 


Abraham Lincoln: " Creio que a Bíblia é o melhor presente que Deus já deu ao homem. Todo o bem, da parte do Salvador do mundo, nos é transmitido mediante este livro." 


George Washington: "Impossível é governar bem o mundo sem Deus e sem a Bíblia." 


Napoleão: "A Bíblia não é um simples livro, senão uma Criatura Vivente, dotada de uma força que vence a quantos se lhe opõem." 


Rainha Vitória: "Este livro dá a razão da supremacia da Inglaterra." 


Isaac Newton: " Há mais indícios seguros de autenticidade na Bíblia do que em qualquer história profana." 


Caso você não conheça a Bíblia, te faço um desafio, busque estudá-la com fé, que você verá como ela tem um poder transformador que irá revolucionar sua vida em todos os aspectos, pois o propósito para o qual você foi criado com um espírito, é que este espírito foi feito para conter o próprio Deus, você nunca conseguirá ser uma pessoa completamente realizada, pois nada como fama, dinheiro, poder ou qualquer outra coisa, que a sua carne possa desejar, pode se comparar ao gozo de ter uma vida de plena comunhão com Deus, " Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo."(Rm 14:17). 


Além disso, Deus tem um desejo, um plano, para o qual Ele necessita de homens que o amem e estejam dispostos a pagar o preço (2 Tm 3:12 Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.) de servi-Lo e efetuar este plano. O preço é caro, mais a recompensa é eterna e como podemos ler em 1 Tm 1:15 "Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal." 


Em 2015, leia mais a Bíblia. 


Que a paz do Senhor esteja convosco. Amém.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

DEUS NÃO CONTAVA COM ESTA ASTÚCIA!



O que este cara tem de ridículo, ele tem de ridículo!

Astúcia: Sabedoria corrompida, grande capacidade em enganar.

“Chegará um dia em que no lugar dos pastores alimentando as ovelhas haverá palhaços entretendo os bodes” – Charles Haddon Spurgeon.

Para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela ASTÚCIA com que induzem ao erro.” (Efésios 4:14)
“Não contavam com a minha astúcia”. A frase, amplamente conhecida no Brasil por causa do personagem Chapolin, criado e interpretado por Roberto Gómez Bolaños, foi usada pelo pastor Lucinho Barreto na introdução de um sermão recente.

Vestido de Chapolin, Lucinho intitulou sua mensagem com outra frase comum nos episódios do programa de humor que Bolaños produzia: “E agora, quem poderá me defender?”.

O pastor Lucinho Barreto ficou conhecido nacionalmente quando, num culto de jovens da Igreja Batista da Lagoinha (IBL), simulou o uso de cocaína nas páginas da Bíblia. Sua intenção era ilustrar uma suposta “dependência” da Palavra de Deus.

O malfadado episódio recebeu inúmeras críticas e foi lamentado em rede nacional pelo jornalista José Luiz Datena, na Band. “Isso é uma profanação de um livro sagrado, da Palavra de Deus”, disse Datena à época.

Novamente, Lucinho centrou sua mensagem na “dependência de Deus” e afirmou que não tem como ser condicionado a Ele e a “outras coisas ao mesmo tempo”.

O líder de mocidade da IBL disse aos presentes no culto que é preciso “aprender a depender de Deus”, assim como o poeta no Salmo 121: “Levanto os meus olhos para os montes e pergunto: De onde me vem o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra. Ele não permitirá que você tropece; o seu protetor se manterá alerta, sim, o protetor de Israel não dormirá, ele está sempre alerta!”.


Próximo de concluir seu sermão, o polêmico pastor deu um tom triunfalista ao sermão e afirmou que na dependência de Deus é possível ter forças para vencer os inimigos e ser bem-sucedido: “Se você colocar sua dependência n’Ele, Ele vai te dar força. Força muito louca. Você vai levantar de manhã e falar assim: ‘Sai da minha frente, [por] que eu acordei’. E você vai conquistar”. Fonte: Gospel+

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

DAI, POIS, AO FUTEBOL O QUE É DO FUTEBOL E A DEUS O QUE É DEUS!



Estava procurando palavras para discorrer sobre esta cena no Mineirão que aconteceu no domingo em que o Cruzeiro foi Campeão Brasileiro e a mesma não se repetiu quando o time perdeu a final da Copa do Brasil para o Atlético. Eu teria muitas coisas a dizer, mas, por hora e falta de tempo, concordo com o texto abaixo ( quase todo )... Será que a Glória é realmente de Deus sempre ou apenas em algumas circunstâncias???

Fonte: Blog do Chico Maia ( http://blog.chicomaia.com.br/2014/12/01/deus-e-o-resultado-de-um-jogo-de-futebol/ )

Deus e o resultado de um jogo de futebol

Fiquei muito honrado em receber este texto do Pedro Blank, especialmente para ser publicado no blog. Trata-se de um dos melhores jornalistas de Minas e do país. Texto de conteúdo rico, que põe o dedo numa ferida que a imprensa em geral não gosta de tocar, para evitar uma polêmica pra lá de explosiva: a mistura de religião com o esporte, no caso, com o futebol. ( Chico Maia )

* Religião e futebol

Por: Pedro Blank*


Quando as câmeras estavam ligadas levando a imagem para todo o Brasil, os flashs disparavam milhares de vezes por segundo e o país assistia ao Cruzeiro conquistar legítima e incontestavelmente o tetracampeonato brasileiro dentro de um estádio lotado em cima do Goiás, em 23 de novembro, algo diferente aconteceu no Mineirão. Uma bandeira de proporções gigantes tomou o anel inferior com a inscrição “A Deus toda Glória”. É necessário compreender a relação entre o marketing religioso e o maior esporte do mundo.

O que está em jogo em uma partida de futebol? Vários estudos sociológicos sugerem que o esporte desperta o lúdico, o espaço da brincadeira que acompanha o homem desde a era das cavernas.

No campo filosófico, o lúdico desponta como oposição à racionalidade. Na pós-modernidade, ressalte-se, é cada vez mais consenso que a razão prevalece sobre a emoção, tendo como pano de fundo a louvação pragmática ao hedonismo-consumismo. O estádio, então, configura o espaço em que homens podem voltar a serem meninos. Antes de a bola rolar, o torcedor entra em campo com a equipe com a incerteza da vitória, da goleada que pode ser obtida ou do amargo choro dos perdedores. O desfecho dessa brincadeira acontece em 90 minutos ou no fim do campeonato, tudo aberto, repleto de carga dramática. Nas palavras do uruguaio Eduardo Galeano, “a história do futebol é uma viagem ao prazer”.

O Cruzeiro, tetracampeão brasileiro, tem no elenco diversos jogadores evangélicos. Um dos que mais atribui vitórias a Deus é o goleiro Fábio. Em entrevista ao jornal mineiro Hoje em Dia (http://www.hojeemdia.com.br/esportes/cruzeiro/bandeir-o-crist-o-foi-presente-dos-jogadores-e-idealizado-por-esposas-em-reuni-o-religiosa-1.284211), ele explicou a bandeira. “Nós oramos e Deus determinou, quando Deus fala nós obedecemos. A Máfia Azul está de parabéns por ter adotado a ideia”.

A Máfia Azul é uma torcida organizada do Cruzeiro que já chegou a ser proibida de frequentar estádios pelo Ministério Público de Minas Gerais. A própria diretoria do clube se manifesta contrária à organizada. Mas, mesmo assim, para confeccionar o “bandeirão”, Fábio e outros atletas evangélicos se quotizaram para arcar com R$ 15 mil para colocar à peça no Mineirão no dia em que o time se sagrou campeão nacional.

No momento da festa, o goleiro Fábio, com uma camisa repetindo os dizeres da bandeira, voltou a dividir os créditos do triunfo com Deus. “Nação azul comemora, Deus é bom” (http://esportes.terra.com.br/cruzeiro/emocionados-jogadores-do-cruzeiro-comemoram-titulo-no-mineirao,afcfdcc996ed9410VgnCLD200000b2bf46d0RCRD.html). 

É no discurso entre Deus e futebol que vamos prosseguir. 

Obviamente, não se questiona a bondade de Deus, seja com os vencedores ou derrotados – em qualquer situação (para os que acreditam) Deus sempre será bom. As palavras de Fábio encerram o sentimento religioso em si mesmo e forjam um ser humano abstrato, sozinho, isolado. A auto-alienação religiosa divide o mundo em dois: um místico (Deus determina as vitórias e derrotas) e outro real, onde ocorre o confronto esportivo e os atletas são os únicos responsáveis pelo triunfo ou pelo revés. E, não resta dúvida, que é no real que o jogo se desenvolve, com as qualidades dos competidores prevalecendo.

O marketing religioso de atletas de futebol e repetido pela mídia à exaustão impacta justamente no aspecto lúdico do esporte. Colocar Deus como responsável por uma vitória é se despedir de toda plenitude e beleza que uma partida pode nos proporcionar. É necessário que a mídia problematize a questão: triunfos esportivos em nada tem relação com a Divina Providência.

Parafraseando uma passagem do evangelho de Mateus, “Dai, pois, ao futebol o que é do futebol, e a Deus o que é de Deus”. Três dias depois de levantar o título Brasileiro, o Cruzeiro decidiu o título da Copa do Brasil contra o Atlético, novamente num Mineirão lotado. Perdeu o título e completou um ano sem vencer o seu maior rival. A bandeira e as camisas com a inscrição “A Deus toda Glória” não apareceram. Nas entrevistas, Ele também não foi citado. Nenhum repórter perguntou aos jogadores cruzeirenses porque Deus entrou em campo com o Atlético.

* Pedro Blank é jornalista, finalista dos Prêmios Esso e Embratel de jornalismo. É escritor e autor do livro “O Príncipe – A Real História de Dirceu Lopes”.